1 de mar de 2010

Vô Tônico indignado



Quem já deu uma espiadinha no meu perfil sabe que não tenho guarda-chuva nem celular. Do celular eu disse que não preciso. Agora digo mais: sou aposentado, não faço "bicos", portanto não tenho que atender patrão nem clientes, tenho vida social pacata, quase não saio de casa, não tenho namorada nem amante. De que me serve o celular, então? Além disto, sempre desconfiei que esses aparelhos modernos, maravilhosos e úteis, são também uma fonte inesgotável de transtornos e aporrinhação. Enquanto puder viver sem eles...
O caso é que não tenho celular, fujo deles, mas minha mulher tem, meus filhos têm, meu cunhado tem; vivo cercado de toques os mais bizarros possíveis, deixo-os tocar, não atendo, ignoro-os. Mas eles, os celulares, não me ignoram – até parece praga!
Há tempos comprei um celular que deu no maior imbróglio: perda de chip bloqueado, desbloqueio por meio fraudulento, processo na justiça contra a operadora - ainda não resolvido.
Mas vamos ao caso que me fez escrever estas mal traçadas linhas.
Experimentando com uma amiga o celular novo, minha mulher ativou um serviço diário de horóscopo. Muitos dias depois, ao perceber a burrada, quis cancelar o serviço inútil. Ligou para a operadora solicitando o cancelamento e lhe informaram que deveria telefonar para o jornal que disponibiliza o horóscopo. Sou assinante desse jornal, o JT, e minha mulher pediu-me o número do telefone da central de atendimento ao assinante. Ligou, não resolveu o problema e pediu-me que interferisse. Antes mesmo de saber qual seria exatamente a minha participação, encrespei-me: a minha assinatura do JT nada tinha a ver com o celular dela, eu não estava nem aí... Ela encrespou-se também... Estresse.
Então soube que deveríamos acessar o site do JT Online; lá seria desativado o serviço.
Danou-se! Agora é que ficou complicado: entra no site, clica daqui, clica dali, entra num link, vai para outro link... Mais estresse, com certeza. Ericei-me novamente, quase viro um porco-espinho...
Pausa para esfriar e baixar os espinhos...
Mas se eu não ajudar minha mulher, quem poderá ajudá-la? O Chapolin Colorado? O Colorado dela sou eu, devo pois entrar na briga. Já calmo, fui ao telefone e falei ao atendente:
- Quer dizer que tenho de acessar a Internet para cancelar o serviço?
- Perfeitamente, senhor.
- E se eu não tiver computador, tenho de ir a uma lan house?
- Perfeitamente, senhor...
- Olhe aqui, eu sei que você não tem culpa de nada, mas quero lhe dizer que isso é um absurdo e a prova da total incompetência do JT. Me desculpe, bom dia. Disse isto veementemente, mas com calma e civilidade (aleluia!).
O meu filho acessou o JT Online, nada encontrou na página que levasse ao que queríamos. Desistiu. Sentei-me eu em frente ao computador; do mesmo modo nada encontrei. Liguei mais uma vez para o jornal e pedi ajuda, ignorante que sou em questões de Internet. A atendente orientou o ignorante: clique em MÓBILE, lá em cima, depois abre uma janela, então indique o canal, a operadora e o número do celular. Obrigado, minha filha, agora vai ser fácil! Alguns cliques e toques mais tarde, tudo conforme a mocinha indicou, noto que o próximo clique será no botão de assinatura. Mas eu não quero assinar, eu quero cancelar uma assinatura! Ainda não seria desta vez, porém.
Rastreio toda a página e encontro o título OUTROS SERVIÇOS. Arrá! Não contavam com a minha astúcia!
Animado, cliquei no primeiro item: oferta de serviços; cliquei no segundo item: mais ofertas de serviços. Porra!!! Eu não quero comprar, quero cancelar um serviço!
De volta ao jornal (acho que era outra atendente): um minuto, senhor, vou acessar a página pra tentar lhe ajudar... de fato, mas olha só, à direita tem vários logotipos de operadoras, clique no da sua e abrirá outra janela, nessa janela tem o serviço de cancelamento de assinatura, no final... Cliquei várias vezes no logotipo e nada aconteceu: agora era o computador que estava me sacaneando, ou já estressava também. Aproveitei para desativar várias páginas e programas minimizados que poderiam estar sobrecarregando o coitado. Fui beber um copo d'água...
De volta, cliquei no logotipo da operadora, abriu a janela, e ao final o recado: para cancelar a assinatura de um canal, você precisa enviar um torpedo SMS para o número XXXXX com a mensagem DESL seguida do código do canal.
Ah! já suspeitava desde o princípio! Quem desativa o serviço não é o jornal, mas a operadora. Claro! Claríssimo! E a bandida nos fez dar uma volta imensa, nos ouriçarmos, eu e a minha mulher, para no final tudo se resolver com um simples torpedo para a própria! Cafajestada! E eu ainda chamei o JT de incompetente, um jornal que eu gosto tanto e leio desde os anos 70!
Finalmente tudo agora está claro e conforme a lógica... da operadora, claro: para acionar o serviço foi quase por descuido, já para cancelar...
E para encerrar esta pequena saga da modernidade e expressar a indignação que sinto, quero dizer apenas uma palavra: putaqueopariu!!!*

*Desculpem, não é o meu jeito habitual.

Fevereiro de 2010

1 comentários:

Gledson Vinícius disse...

Compartilho da raiva com um bom... Putaqueopariu!

Postar um comentário