29 de mai de 2011

O BICHO COSTUREIRO (Parte 2)

O vestido de folhas


Foi ter a um bosque denso e sombreado. Havia ali uma fonte a minar do chão e formando uma poça de água fresca e cristalina. Pôs-se de cócoras, para beber dela pelas mãos em concha. Antes de estar saciado completamente, viu no espelho d'água um rosto refletido. E não era o seu, pois nem tinha cabelos loiros nem feições femininas! Ergueu-se, olhando para cima: uma belíssima jovem escondia-se entre as folhas de um galho!

- Ora, se não é a moça da melancia! – exclamou Tonico, lembrando-se da história que tantas vezes ouvira de sua mãe.

Era assim a história:

Um pai pobrezinho deu a cada um de seus três filhos uma melancia quando estes resolveram correr mundo, recomendando-lhes que só as abrissem onde houvesse água. O filho mais velho esqueceu a recomendação do pai e abriu a melancia longe da água; de dentro da melancia saiu uma linda jovem que lhe pediu leite ou água e como não houvesse nem uma coisa nem outra, a jovem morreu. Com o filho do meio aconteceu o mesmo.

O filho caçula, porém, lembrando-se das palavras do pai, abriu a melancia junto a uma fonte; a jovem bebeu água à farta e salvou-se. Mas como estivesse nua, o rapaz escondeu-a nas folhagens de um galho acima da fonte, dizendo-lhe que dali não saísse até que voltasse com roupas.

Mais uma vez a história ia repetir-se, agora sob o olhar do menino.

A jovem fez menção de sair de entre as folhas e Tonico, cavalheirescamente, virou-se de costas, para que não ficasse constrangida em sua nudez. A moça riu-se e disse:

- Não precisa dar-me as costas, estou vestida, olha...

De fato, a jovem trajava um vestido de folhas, todas costuradinhas por finíssimo fio.

- Mas, como foi isto?!

- Passou por cá um costureiro e fez-me este vestido. Não é grande coisa, mas evita-me a vergonha, já que o meu senhor demora-se tanto.

O menino já sabia de qual costureiro a jovem falava, mas perguntou:

- E como é esse costureiro?

- Não sei – respondeu-lhe a jovem. É invisível, mas costura muito bem, e rápido.

- E para onde foi?

- Disse que ia correr mundo em busca de fama e fortuna.

- Ah... E quanto a ti, é melhor que te escondas muito bem. Pode vir alguém...

- Eu sei. Já esteve cá uma velha muito feia e torta, a buscar água. Viu o meu rosto refletido na fonte e pensou que era o dela. Então disse: "Sendo tão bonita assim, por que trabalho eu para os outros?". Em seguida quebrou o cântaro e foi embora. Foi tão engraçado! Contive-me a muito custo, para não estourar de rir!

- A velha vai retornar, não te descuides...

- Que pode uma velha daquelas contra mim? De mais a mais, o meu amo não tarda a chegar.

Tonico teve vontade de contar-lhe tudo o que estava por acontecer, mas achou melhor deixar a história cumprir-se. Despediu-se e afastou-se. Ainda queria encontrar o bicho costureiro.


A Moura Torta


A velha muito feia e torta, a Moura Torta, como era conhecida, retornava à fonte com outro cântaro, depois de ter sido espinafrada por sua patroa. Vinha cantando, ou melhor, resmungando uns versos, tortamente – sem ritmo e sem melodia – com sua voz rouca e expressão enfezada, como a lamentar-se por toda uma vida de trabalhos sem proveito:


Ai, minha mãe dos trabalhos

Para quê trabalho eu?

Trabalho, mato o meu corpo

Não tenho nada que é meu (1)


A velha metia medo a qualquer criança, mas Tonico criou coragem e saltou-lhe na frente.

- Raios! Só me faltava esta: um fedelho no meu caminho! Arreda, fedelho, não vês que estou a trabalho?

- Desculpe, Senhora D. Moura, mas queria saber se tem notícias do bicho costureiro

A moura gostou da maneira educada do menino e desfez a carranca.

- Não sei de que bicho estás falando...

- Do bicho costureiro que fugiu da máquina de costura da tia Rosinha. Soube que foi correr mundo e desejava muito avistar-me com ele.

- Já sei... Tu és um desses meninos curiosos que querem saber tudo, conhecer, mexer... Não gosto de gente assim, vivem aprontando. Sei de um que desmontou um relógio "só pra ver como era" e nunca mais conseguiu montá-lo. Ah, curiosos!!!... Quanto ao bicho de que falas, se é costureiro e costura bem...

- Costura muito bem, eu garanto.

- Nesse caso pode estar no Reino das Princesas Vaidosas. Elas são muito exigentes e não se satisfazem com qualquer costureirazinha...

- E onde fica esse reino, Senhora?

- É perto daqui. Segue sempre em frente e chegas lá: depois dos campos de trigo.

- Agradecido, Senhora.

- Não tem de quê. Agora me deixa ir, tenho muito a fazer. Ai, minha mãe dos trabalhos!

O menino afastou-se em direção ao Reino das Princesas Vaidosas. E foi pensando na história que se desenrolava no bosque.

Retornada à fonte, a moura viu-se novamente refletida na água e novamente julgou-se belíssima e novamente quebrou o cântaro. Então a jovem não resistiu e deu uma gargalhada. Descoberta, contou à velha a sua história. E a moura, antevendo vantagens, ofereceu-se para pentear-lhe os lindos cabelos doirados. Por ingênua ou vaidosa, ou por ambas as coisas, a jovem deixou-se pentear e a velha, enquanto o fazia, espetou-lhe um alfinete na cabeça, virando-a em pombinha! A Moura Torta era uma bruxa...

Já Tonico marchava rumo ao Reino das Princesas Vaidosas quando uma pombinha branca, voando do bosque, alçou no azul do céu sobre o ouro dos trigais.

  1. versos recolhidos da tradição oral portuguesa.

    (continua no próximo post)

27 de mai de 2011

O BICHO COSTUREIRO (Parte 1)

O menino curioso



No tempo em que as mães contavam histórias a seus filhos ao redor da lareira, havia um menino muito curioso que vivia espiando a vida dos bichos e observando tudo o que de interessante tem a natureza. Todos o tratavam por Tonico da Tiana, e Tiana era sua mãe.

Um dia Tiana foi à costureira encomendar uma peça de roupa. Tonico foi junto e ficou encantado com a máquina de costura, com aqueles mecanismos que tão bem sabiam costurar! E quis logo abrir a janelinha redonda da máquina para ver por dentro como funcionava aquela maravilha. Tia Rosinha, a costureira, advertiu-o:

- Não mexas aí, Tonico, podes machucar-te!

E como o menino continuasse mexendo, a costureira insistiu:

- Já te disse, não mexas! Tem aí dentro um bicho que gosta de morder menino curioso. E ele já está indo para a janelinha, não tarda a morder-te o dedinho mexelhão!

O menino olhou para sua mãe como a indagar se era verdade o que tia Rosinha dizia. Sua mãe confirmou, balançando a cabeça e dizendo:

- Pois é, tem sim. Não mexas...

E por muitas outras vezes que lá foi e tentou abrir a janelinha, o menino ouviu a mesma lengalenga: "Não mexas, olha o bicho!". E por sua mãe confirmar, não tinha mais dúvidas: havia mesmo um bicho ali dentro, talvez um bicho costureiro – a alma da máquina de costura. Como seria interessante ver o tal bicho, conhecer sua aparência, saber que poderes tinha! Mesmo com o risco de levar uma mordida no dedo.

A curiosidade de Tonico não o deixou desistir e, sempre que se desgarrava de sua mãe, ia espiar a máquina de costura, na esperança de ver o bicho costureiro. Um dia, estando a vigiar, viu a costureira arreliar-se com a máquina: parara de funcionar, enguiçara sem mais nem por que, de repente! Os mecanismos giravam, faziam tudo que costumavam fazer, mas as linhas não se entendiam e a costura não se realizava! A mulher já fizera de tudo na vã tentativa de trazê-la de volta ao trabalho; não sabia mais o que pudesse fazer e lamentava-se ao marido:

- E essa agora... Como pode, se até ontem funcionava tão bem? Que diabos lhe aconteceu, para escangalhar desse jeito?

Tio Jaime limitava-se a rodear e olhar a máquina sem dizer palavra, pois de máquinas nada entendia, nem de costura nem de outras.

- E logo agora que tenho tantas encomendas por fazer! Ai de mim!... Não há outro jeito senão chamar o Elias mecânico, e sem mais tardança... Diacho!

Tonico saiu dali pensando que talvez a máquina de costura houvesse perdido a sua alma; o bicho costureiro, ao que tudo indicava, evadira-se...


Vendo e ouvindo na mata


Nada mais interessante que um passeio na mata. Há muitas coisinhas bonitas de se ver, plantas, flores e bichos, muitos bichinhos. Há cores e perfumes. E variados sons, desde os mais delicados, como o da brisa correndo entre as folhas do arvoredo ou o sussurrar das águas no córrego; até os mais estridentes, como o cantar-de-uma-nota-só da cigarra ou o cri cri cri dos grilos do campo. Ah, que graça estes bichinhos! Acordam aos primeiros raios de sol e saem dos buraquinhos onde moram para comer e cantar. E como cantam (ou falam?)! Como são cricrizeiros, esses grilos do campo!

Tonico passeava na mata pleno de encanto, e cheirava os cheiros, e ouvia os sons, e tudo observava: formigas cortadeiras derrubando folhas de um arbusto, enquanto outras as levavam, em carreira, ao formigueiro; lagartas descendo um tronco, em fila, uma exatamente atrás da outra, arrumadinhas e disciplinadas – uma procissão lagartal.

Agora era um barulhinho de come-come: uma lagarta verde empanturrava-se em cima de uma folha.

Mais além, estranhas folhas duplas formando algo como casulos. Tonico examinou-as: pareciam estar costuradas, duas a duas, por finíssimo fio de seda. O menino espiou pela abertura na extremidade das folhas: os casulos estavam vazios. Quem teria feito aquilo? Tonico imediatamente pensou no bicho costureiro fugido da máquina de costura. Estaria escondido na mata? Pensando nisso, prosseguiu o passeio, agora mais interessado nos casulos de folhas costuradas.

Bem perto dali, entre os galhos de um arbusto, uma aranha tecelã construía sua teia. Uma voz miudinha, quase inaudível, chamava:

- Comadre, ó comadre!

Tonico espantou-se! Seria possível? Aproximou-se um pouco mais e apurou os ouvidos. Sim, outra aranha falava à tecelã:

- Já soube da novidade, comadre?

- ???

- Temos vizinho novo; um tal de bicho costureiro que anda a costurar pela mata. Não se fala noutra coisa...

- Não me importo... desde que não me venha fazer concorrência.

- Não. Ele só costura, não tece.

- Pois então... não me importo. Só quero saber de moscas, mosquitos e outros petiscos semelhantes. Outros bichos não me interessam.

- Desculpe. Pensei...

- Pois pensou mal, comadre, pensou muito mal. Não perco tempo com a vida alheia nem gosto de gente curiosa, como esse menino que está com o nariz em cima da minha teia: se der um espirro, lá se vai todo o meu trabalho. Arreda menino, arreda!

Tonico afastou-se da teia, ouvindo ainda uma última fala da aranha tecelã:

- Vá, comadre, vá cuidar da sua vidinha, vá, vá!

A mata nunca estivera tão interessante quanto naquele dia. Pois se até os bichos falavam! E não havia dúvida: o bicho costureiro estava ali. O menino saiu à sua procura, seguindo a pista das folhas costuradas.

(continua no próximo post)


20 de mai de 2011

Uma historinha infantil para adultos - epílogo

(leia primeiro as partes 1e2, abaixo)

Quando acordou, uma luz intensa varava suas pálpebras e atingia suas retinas cansadas. Abriu os olhos devagarinho, protegendo-os com a palma da mão. Brotando do chão à sua frente, quase aos seus pés, o tão procurado arco-íris, do vermelho ao violeta matizado, resplandecente e lindo! Eufórico, o velho levantou-se de um salto. Mas não havia panela de ouro ou qualquer coisa que semelhasse um tesouro. Decepcionado e triste, o velho lamentou-se por toda uma vida perdida.

- Que fiz eu da minha vida? Loucura, só loucura! E aquele contador de histórias, que grande trapaceiro! Não há panela de ouro, nem uma pepita sequer... Era tudo mentira!... Mais valera cultivar flores e aprender a dançar com aquela mocinha... e ter filhos com ela...

Raivoso e fora de si, o velho lançou-se aos socos e pontapés na base do arco-íris. Então percebeu que podia agarrá-lo, subir nele, montá-lo. E assim fez e foi caminhando nele com se fora uma estrada – a mais linda estrada de sua vida! E, quem sabe, o tesouro não estaria na outra ponta do arco-íris...

Passou as nuvens e alcançou as estrelas. Uma música antiga, que parecia conhecer, soou nos seus ouvidos e uma figura, ainda distante, rodopiou no espaço: era a mocinha da festa de casamento, dançando nas estrelas! Ah! que vontade de dançar com ela! Mas a bailarina das estrelas aproximou-se, dançou ao seu redor, sorriu e desapareceu no infinito.

O velho caminhou um pouco mais e viu outra figura entre as estrelas: era o floricultor cuidando de suas flores. E como eram lindas, as flores! Ou seriam estrelas?

Ainda admirado com o que via, o velho prosseguiu na sua caminhada sobre a estrada de luz. Uma estrela cadente riscou o céu. E mais outra. E outra mais. Uma chuva de estrelas cadentes! E todas vinham do mesmo lugar no espaço, como se algo ou alguém as impelisse. O velho continuou a caminhar, tentando entender o que acontecia, até finalmente reconhecer: era a menina de tranças arremessando estrelas no espaço, como se fossem pedrinhas sobre as águas de um regato!

- Brinca comigo... – disse a menina ao velho.

O velho sorriu, pegou-a pela mão e saiu, saltitando com ela nas estrelas. E era menino outra vez...


FIM

19 de mai de 2011

Uma historinha infantil para adultos – parte 2


(leia primeiro a parte 1, abaixo)
E assim, em sua busca, o rapaz viu muitas coisas e conheceu muita gente. Nunca se interessou por alguém ou por coisa alguma. Nunca aprendeu um ofício nem se ocupou em qualquer atividade prolongada. Durante a estação seca executava alguns trabalhos, curtos, para prover o pão de cada dia e o farnel necessário à estação chuvosa, quando ia atrás do arco-íris. Às vezes acontecia uma chuva imprevista, mesmo na estação seca, e lá ia o rapazola, abandonando tudo em que estivesse empenhado. Nunca criou raízes. Sua vida resumia-se ao grande sonho: encontrar o tesouro do arco-íris. E não era mais um rapazola, mas um homem maduro, já grisalhando cabelos e barba.
Mas o arco-íris parecia brincar com ele! De esconde-esconde. Tinha essa sensação principalmente na estação das chuvas, quando fica muito nítida a localização do arco-íris. Escalada a montanha por trás da qual se escondia, já o arco-íres fugia para a montanha seguinte. E quando esta era vencida, já não estava lá, mas na outra, mais além... E podia acontecer também que, ao chegar ao pico de uma montanha, o homem constatasse que o arco-íris fugira em sentido oposto ao seu, acarretando perda de tempo e redobrado esforço. Mas o homem perseverava como ninguém. Nunca desistia. E escalou montanhas e atravessou vales sem conta. E nessa vida de procura se perdeu...
E já não era um homem maduro, mas um velho cuja branca barba ia além da cintura. Cansado e doente, abrigando-se em tapera que encontrara à beira do caminho, não tinha mais forças nem ânimo para prosseguir naquela loucura...
Então caiu uma chuva finíssima e o arco-íris despontou por trás do morro, nítido como nunca, brilhante! E a mente do velho iluminou-se! E o antigo sonho percorreu-lhe as veias e incendiou-lhe o corpo! E lá se foi o velho, morro acima.
Nunca fora tão fácil! Nem montanha era, apenas um morrinho de nada... Mas chegado ao topo, o velho constatou mais uma vez o que já conhecia de sobra: o arco-íris brilhava por trás do morro seguinte. O fogo que o animava arrefeceu, a canseira dominou-o de vez. Deitou-se na relva. Adormeceu.

(epílogo no próximo post)

15 de mai de 2011

Uma historinha infantil para adultos – parte 1

Há muito e muito tempo, num lugar que ninguém sabe, um menino ouviu de um velho contador de histórias que havia uma panela cheia de ouro, lá bem onde o arco-íris toca a terra. Um dia, durante a estação das chuvas, saiu de casa e caiu no mundo, disposto a encontrar esse tesouro.

Já andara muito quando encontrou uma menina de tranças pulando de pedra em pedra sobre as águas de um regato. Disse-lhe a menina:

- Brinca comigo...

- De quê? – perguntou o menino.

- De pular, ou de jogar pedrinhas na água e ver os círculos que elas formam.

O menino considerou não valer a pena atrasar-se por brincadeira tão boba. E seguiu.

Muito além daquele sítio encontrou um camponês plantando flores. Disse-lhe o floricultor:

- Vem ajudar-me. As flores te darão o sustento e alegrarão a tua vida.

- Flores dão muito trabalho e demoram a crescer. E eu tenho pressa: busco uma riqueza maior...

Caminhando de sol a sol e descansando à noite, foi ter a uma fazenda onde se realizava uma festa de casamento. Apresentou-se e felicitou os recém-casados e seus pais, que o deixaram à vontade, apesar de ser forasteiro. Havia comida e bebida à farta e músicos animando os convidados. Comeu e bebeu – apressadamente! – e já ia embora quando uma mocinha lhe disse:

- Dança comigo...

Surpreso com o convite da mocinha, o menino passou a mão no rosto e só então percebeu que já não era menino, mas um rapazola, com os primeiros fios de barba a crescer.

- Desculpe, mas tenho um sonho a realizar. Talvez na volta... – respondeu o rapazola à mocinha, antes de se pôr a caminho.


(continua no próximo post)

6 de mai de 2011

O Sol no Ipê Amarelo


Corria o ano de 1972. Eu estava escalado para um plantão de 24 horas no quartel. Comprei na banca o jornal de hábito, atravessei a rua e parei na calçada, aguardando o ônibus que me levaria ao trabalho.
Enquanto esperava abri o jornal, como de costume naquela época, pelo caderno de Economia. Não que tivesse urgência em saber notícias do mercado; assistira ao noticiário no dia anterior e estava informado: a Bolsa continuava despencando. Eu procurava a opinião abalizada dos economistas, análises de empresas, de tendências, algo que me desse uma pista, um sinal, uma esperança de ver revertido aquele quadro desolador do mercado de capitais, Bolsa recuando inabalável.
Tempos atrás eu entrara num fundo de investimento em ações, quando a Bolsa arrebentava todos os limites de alta, aplicações mensais fixas, muita gente investindo, eu acreditava, uma beleza durante alguns meses, o meu dinheirinho aumentando. Até que a Bolsa deu de recuar, sabe-se lá por quê, investidores neófitos em debandada, assim como entraram, do mesmo modo saíam, com espírito de boiada. Mas eu não era boi dessa boiada, sabia que debandar só piorava, era neófito, mas não quadrúpede. Bolsa é investimento de longo prazo, um dia subirá, não há mal que sempre dure, já dizia minha mãe.
Mas a Bolsa nem ligava para as minhas expectativas, só fazia descer, quando não, andava de lado, fazendo crer que chegara ao fundo; então vai subir, pensava eu, mas caía de novo e no dia seguinte também e a semana toda. E o gráfico no jornal já não semelhava como outrora o perfil de cordilheira, mas de uma encosta íngreme sem vale que se perceba. E os meus cem cruzeiros aplicados num dia, no seguinte já minguavam, não valiam nem cinquenta. Ai, meu dinheirinho!
E o ônibus demorava, era assim nos fins de semana, pior aos domingos, em cidade do interior, onde uma única concessionária prestava o serviço. Não era de estranhar.
Dei uma olhada no primeiro caderno. A política era outra pedra no meu sapato. Já me decepcionara no passado, em plena adolescência, com a queda de Jango, na mão grande, à força, sem resistência. Foi um golpe na minha incipiente formação política. Então desliguei, não queria saber, tratei da vida, que um homem precisa fazer algo por si e pelos seus.
Entretanto o interesse voltou, o país se modernizava, a economia crescia a taxas incríveis, exportações em alta, grandes obras, a Bolsa dando saltos, os resultados surgindo aqui e ali, este é um país que vai pra frente, talvez deixe de ser do futuro para ser do presente, tem comando e administração, ordem ainda falta, mas terá, a subversão está por um fio, e de progresso ninguém duvida. Pra frente Brasil, quem não o ama que o deixe, e somos tricampeões do mundo, pois então!
No entanto o meu entusiasmo arrefecera. Os jornais publicavam, na primeira página, poemas e receitas culinárias. Que notícias nos estavam sonegando, não os jornais, mas os censores do governo? Eu tentava orientar-me lendo o que deixavam, recorria a publicações alternativas e atinava que algo de podre acontecia nos desvãos do regime.
Até parecia que os senhores no poder detinham o monopólio do patriotismo, sendo os contrários abjetos traidores, mas eu me perguntava se não seriam também patriotas ao seu modo, uns e outros em luta por ideários díspares, porém sinceros e todos brasileiros.
Estas aflições eu as guardava, confidências só aos amigos mais íntimos e olhe lá; no trabalho nem pensar, seria intrigar felinos na toca do leão, e besta eu não era.
E o milagre brasileiro deixara de funcionar na Bolsa, e o ônibus não vinha, e o que pretendia aquele maluco que avançava contra mim?
Era um menino portador da síndrome de Down, como se diria hoje na cartilha do politicamente correto, naquele tempo um menino mongolóide. Avançou contra mim, gesticulando e a falar, articulava com dificuldade, eu não entendia, me assustei, recuei dois passos, não que o temesse fisicamente, era um menino, apesar de pré-adolescente e avolumado, mas temia o ridículo, o constrangimento público, que se podia esperar de criaturas assim, para o vulgo era tudo doido, melhor evitar. Estatelou à minha frente, braço direito e dedo indicador em riste para o outro lado da rua, desejava comunicar algo, esperava o meu entendimento e eu não entendia, meus olhos fixos no menino espantado com o meu espanto.
Uma senhora que esperava a condução interferiu:
- Ele está querendo lhe mostrar o ipê.


Do outro lado da rua num baldio, um ipê levantado contra os cinzas difusos da manhã, os primeiros raios de sol, rasantes, filtrando por suas pequeninas flores amarelas, realçando-lhes a cor e o brilho. O ipê resplandecia, grande candelabro insólito e belo!
Sorri, levantei o polegar em sinal de compreensão e concordância, sim, é belo, o menino sorriu e assim ficou, braços cruzados, admirando contente o ipê, e eu no íntimo envergonhado por ter desentendido quando o menino só queria partilhar comigo a beleza que os seus olhos viam e os meus não.
Vemos o que queremos ver, o que está dentro de nós. Eu passei ao lado e não vi o ipê, via os gráficos e a Bolsa, o progresso e a repressão, coisas importantes de fato, mas distantes. De maior apreço é a vida, se descuidamos ela passa, e a vida está ao lado, até nas coisas mais simples, se temos olhos e coração atentos; está na mocinha que passa ou no olhar puro da criança; estava no ipê ensolarado em manhã de primavera e no menino que se encantava com ele.
O ônibus vinha afinal, do atraso eu não escapava. Acenei ao menino em despedida, eu e a senhora embarcamos. Sentei-me à janela, domingo tem isso de bom, poltrona vaga sobrando no coletivo, tem outros regalos ainda, mas eu estava de serviço.
Dobrei o jornal. A paisagem corria ao lado, deixando para trás o menino e o ipê banhado de sol; o sol que amornava o meu rosto e aquecia a terra, cobrindo-a de vida e de cores. E ainda que nuvens passageiras lhe toldem a face, ressurgirá na primeira janela aberta ou no dia seguinte, e assim por todos os dias... Tudo o mais passará.

 
FIM

 
OBS: Este conto participou da 11ª edição do Concurso Talentos da Maturidade, do grupo Santander – 2009.

2 de mai de 2011

Todas as estrelas do céu


"Tem dias que eu chego da escola,
tomo o meu banho,
me troco,
fico pronta;
janto e escovo os meus dentes.
E brinco um pouco com os meus brinquedos.
O sono não vem.
Então vou pra janela do meu quarto
e fico olhando o céu
e contando as estrelas.
Eu acho que ninguém nunca contou
todas as estrelas do céu.
Eu já..."
- Quantas?
"- Cinquenta e quatro."