6 de mai de 2011

O Sol no Ipê Amarelo


Corria o ano de 1972. Eu estava escalado para um plantão de 24 horas no quartel. Comprei na banca o jornal de hábito, atravessei a rua e parei na calçada, aguardando o ônibus que me levaria ao trabalho.
Enquanto esperava abri o jornal, como de costume naquela época, pelo caderno de Economia. Não que tivesse urgência em saber notícias do mercado; assistira ao noticiário no dia anterior e estava informado: a Bolsa continuava despencando. Eu procurava a opinião abalizada dos economistas, análises de empresas, de tendências, algo que me desse uma pista, um sinal, uma esperança de ver revertido aquele quadro desolador do mercado de capitais, Bolsa recuando inabalável.
Tempos atrás eu entrara num fundo de investimento em ações, quando a Bolsa arrebentava todos os limites de alta, aplicações mensais fixas, muita gente investindo, eu acreditava, uma beleza durante alguns meses, o meu dinheirinho aumentando. Até que a Bolsa deu de recuar, sabe-se lá por quê, investidores neófitos em debandada, assim como entraram, do mesmo modo saíam, com espírito de boiada. Mas eu não era boi dessa boiada, sabia que debandar só piorava, era neófito, mas não quadrúpede. Bolsa é investimento de longo prazo, um dia subirá, não há mal que sempre dure, já dizia minha mãe.
Mas a Bolsa nem ligava para as minhas expectativas, só fazia descer, quando não, andava de lado, fazendo crer que chegara ao fundo; então vai subir, pensava eu, mas caía de novo e no dia seguinte também e a semana toda. E o gráfico no jornal já não semelhava como outrora o perfil de cordilheira, mas de uma encosta íngreme sem vale que se perceba. E os meus cem cruzeiros aplicados num dia, no seguinte já minguavam, não valiam nem cinquenta. Ai, meu dinheirinho!
E o ônibus demorava, era assim nos fins de semana, pior aos domingos, em cidade do interior, onde uma única concessionária prestava o serviço. Não era de estranhar.
Dei uma olhada no primeiro caderno. A política era outra pedra no meu sapato. Já me decepcionara no passado, em plena adolescência, com a queda de Jango, na mão grande, à força, sem resistência. Foi um golpe na minha incipiente formação política. Então desliguei, não queria saber, tratei da vida, que um homem precisa fazer algo por si e pelos seus.
Entretanto o interesse voltou, o país se modernizava, a economia crescia a taxas incríveis, exportações em alta, grandes obras, a Bolsa dando saltos, os resultados surgindo aqui e ali, este é um país que vai pra frente, talvez deixe de ser do futuro para ser do presente, tem comando e administração, ordem ainda falta, mas terá, a subversão está por um fio, e de progresso ninguém duvida. Pra frente Brasil, quem não o ama que o deixe, e somos tricampeões do mundo, pois então!
No entanto o meu entusiasmo arrefecera. Os jornais publicavam, na primeira página, poemas e receitas culinárias. Que notícias nos estavam sonegando, não os jornais, mas os censores do governo? Eu tentava orientar-me lendo o que deixavam, recorria a publicações alternativas e atinava que algo de podre acontecia nos desvãos do regime.
Até parecia que os senhores no poder detinham o monopólio do patriotismo, sendo os contrários abjetos traidores, mas eu me perguntava se não seriam também patriotas ao seu modo, uns e outros em luta por ideários díspares, porém sinceros e todos brasileiros.
Estas aflições eu as guardava, confidências só aos amigos mais íntimos e olhe lá; no trabalho nem pensar, seria intrigar felinos na toca do leão, e besta eu não era.
E o milagre brasileiro deixara de funcionar na Bolsa, e o ônibus não vinha, e o que pretendia aquele maluco que avançava contra mim?
Era um menino portador da síndrome de Down, como se diria hoje na cartilha do politicamente correto, naquele tempo um menino mongolóide. Avançou contra mim, gesticulando e a falar, articulava com dificuldade, eu não entendia, me assustei, recuei dois passos, não que o temesse fisicamente, era um menino, apesar de pré-adolescente e avolumado, mas temia o ridículo, o constrangimento público, que se podia esperar de criaturas assim, para o vulgo era tudo doido, melhor evitar. Estatelou à minha frente, braço direito e dedo indicador em riste para o outro lado da rua, desejava comunicar algo, esperava o meu entendimento e eu não entendia, meus olhos fixos no menino espantado com o meu espanto.
Uma senhora que esperava a condução interferiu:
- Ele está querendo lhe mostrar o ipê.


Do outro lado da rua num baldio, um ipê levantado contra os cinzas difusos da manhã, os primeiros raios de sol, rasantes, filtrando por suas pequeninas flores amarelas, realçando-lhes a cor e o brilho. O ipê resplandecia, grande candelabro insólito e belo!
Sorri, levantei o polegar em sinal de compreensão e concordância, sim, é belo, o menino sorriu e assim ficou, braços cruzados, admirando contente o ipê, e eu no íntimo envergonhado por ter desentendido quando o menino só queria partilhar comigo a beleza que os seus olhos viam e os meus não.
Vemos o que queremos ver, o que está dentro de nós. Eu passei ao lado e não vi o ipê, via os gráficos e a Bolsa, o progresso e a repressão, coisas importantes de fato, mas distantes. De maior apreço é a vida, se descuidamos ela passa, e a vida está ao lado, até nas coisas mais simples, se temos olhos e coração atentos; está na mocinha que passa ou no olhar puro da criança; estava no ipê ensolarado em manhã de primavera e no menino que se encantava com ele.
O ônibus vinha afinal, do atraso eu não escapava. Acenei ao menino em despedida, eu e a senhora embarcamos. Sentei-me à janela, domingo tem isso de bom, poltrona vaga sobrando no coletivo, tem outros regalos ainda, mas eu estava de serviço.
Dobrei o jornal. A paisagem corria ao lado, deixando para trás o menino e o ipê banhado de sol; o sol que amornava o meu rosto e aquecia a terra, cobrindo-a de vida e de cores. E ainda que nuvens passageiras lhe toldem a face, ressurgirá na primeira janela aberta ou no dia seguinte, e assim por todos os dias... Tudo o mais passará.

 
FIM

 
OBS: Este conto participou da 11ª edição do Concurso Talentos da Maturidade, do grupo Santander – 2009.

0 comentários:

Postar um comentário