5 de mar de 2012

Saí para um sarau poético ...


... E acabei na feira nordestina de São Cristóvão! Acreditam nisso? Foi assim. Fui convidado por Adriana Kairos, pela terceira vez, a comparecer ao sarau poético da Biblioteca de Manguinhos, que acontece uma vez por mês. Não conhecia o bairro, embora passe por lá regularmente, na condução, sem nunca ter saltado. Sei que a fama do lugar não é boa, mas não importa, se tantos bairros têm fama idêntica. E além do mais, em geral só ficamos sabendo das coisas ruins, nunca das boas, como um sarau poético, por exemplo.
No último sábado (03/03), resolvi comparecer. Além de rever Adriana, queria participar da homenagem a outra poetiza de minha estima, Aline Leite, falando um ou dois poemas de sua autoria. Peguei um exemplar de POESIA SUBURBANA e outro com poemas de Fernando Pessoa, e parti. Parti já bastante atrasado, mas teria tempo de sobra. Sentei do lado direito do ônibus e fui observando a numeração da avenida D. Helder Câmara, para saltar próximo ao número 1184. Quando observei o número 1300, pensei: é aqui. Mas...
O bairro é atravessado pelo viaduto do metrô, e por baixo deste viaduto, barracos e outras traquitanas pouco simpáticas. Pouquíssimas pessoas perambulando na rua. Noite escura. E vocês sabem: à noite todos os gatos são pardos. Gente, não acionei a cigarra do ônibus, não saltei, passei batido, só parei no Campo de São Cristóvão! Lá eu conheço e sei me situar. Não é preconceito não, gente. Foi cagaço mesmo!
Saltei bem em frente a uma das entradas da feira nordestina. A intenção era pegar um ônibus de volta, mas a cantoria dos repentistas nordestinos me atiçou. Entrei.
Minha mulher, antes de eu sair de casa, me disse que talvez fosse à feira com uma amiga. Quem sabe nos encontraríamos lá. E repente daqui e dali, e forró de cá e de lá, me deu fome e sede. Sentei num restaurante e pedi uma cerveja e um angu à baiana, que há muito tempo não comia. O angu não foi lá essas coisas, mas comível para quem tem fome, e a cerveja desceu bem. De repente bateu-me uma saudade de outro angu, o Angu do Gomes, famoso outrora. Lembro-me de saboreá-lo na Praça XV, quando voltava da Faculdade à noite. A última vez que comi um angu do Gomes foi na Maré, na calçada da avenida Brasil. Talvez já não fosse o Gomes original, talvez um Gomes pirata, mas o angu era muito bom, igual ao do Gomes. Já comi caviar, mas tenho saudade é do Angu do Gomes!
Mas deixemos de culinária, que eu já estou de volta a casa. Ao passar por Manguinhos, que diferença! Muitas, muitíssimas pessoas circulando na rua, parece que iam a um lugar determinado, talvez um baile funk numa quadra que vi de portões abertos e toda iluminada. E o som bombando. Tive até vontade de saltar, tão aconchegante me pareceu o lugar! Segui meu rumo. Em outra oportunidade irei ao sarau de Manguinhos, mas antes vou lá durante o dia fazer um reconhecimento do terreno (e eu não fui milico? Pois então).
E a Rita, hein? Que disse que ia e não foi. E eu que não ia, fui.

 


 


 

1 comentários:

Teresa disse...

A Feira de São Cristóvão é sempre um bom programa.
Pena que perdeu o sarau...

Postar um comentário