13/11/2011

O gigante do mar tenebroso


Fiz recentemente um curso de extensão sobre a poesia de Fernando Pessoa no Real Gabinete Português de Leitura: "FERNANDO PESSOA RELIDO NO REAL". Não lhes falarei da simplicidade complexa do poeta, de sua multiplicidade una, de sua angústia existencial ou de seus versos... Até porque me faltaria capacidade para tal. Falarei de outra história, relembrada durante o curso, quando uma das conferencistas mencionou um fato banal, mas intrigante, e que também lhes contarei, por ser correlato à história que vou contar.
Um dia, faz muito tempo, as minhas sobrinhas Glória e Rosa ainda eram Glorinha e Rosinha, estava eu conversando com o pai delas, o José (que Deus o tenha), no bairro de São Francisco.
Dizia o José das coisas da Terrinha, das glórias passadas e dos perigos; da saga das navegações e do vencer o Cabo das Tormentas, no extremo sul da África. Relembrando, se para tanto não me falha a memória, o cabo foi descoberto e dobrado por Bartolomeu Dias, que ao explorar a costa ocidental da África foi surpreendido por violenta tempestade e levado ao largo no mar tenebroso, perdido. Ao reencontrar a costa, já estava do outro lado da África e, retornando, por imposição de marujos revoltosos, descobriu e nomeou o perigoso acidente geográfico, depois renomeado por D. João II para Cabo da Boa Esperança. Este feito foi essencial à saga do Gama.
Mas voltemos ao que dizia o meu cunhado.
Naquele tempo havia monstros no mar, e ao fim da África um gigante horrendo revoltava as águas e engolia as caravelas, impedindo-as de ir além: era o Gigante Adamastor. Os portugueses de Vasco da Gama passaram, à revelia do monstro, e completaram a gloriosa aventura. Não posso garantir que estas foram as palavras exatas do meu cunhado, mas esta foi a essência do seu discurso. Ele acreditava, sim, nos monstros e no Gigante Adamastor!
Percebi a sinceridade, a convicção de verdade na fala do meu cunhado e não tive coragem para contrapor-me ao que dizia. Não questionei, não argumentei; ouvi apenas.
Durante algum tempo pensei no caso. Como um português, do interior embora, pôde ter crescido com uma concepção tão fantasiosa da história e da geografia? Tomar por real uma fantasia poética criada por Camões para representar o Cabo Tormentório, a essa altura já da Boa Esperança, no seu poema épico "Os Lusíadas". Uma deficiência da escola básica, mormente as do interior? Leitura errônea, sem assistência, do épico camoniano? A força da tradição, que reconta as histórias de boca a boca, talvez já do princípio equivocadas, e sujeita a truncamentos, omissões e acréscimos, sem a menor possibilidade de corrigir-se? A magia de um passado glorioso? Não sei... Talvez um pouco de tudo isso...
Quaisquer que tenham sido as causas, porém, sempre pensei tratar-se de um caso pontual, não generalizado, nada mais...
Agora vamos à história ouvida no Real Gabinete.
Numa de suas viagens a Portugal, a conferencista ficou a ver televisão no hotel, por não ter o que fazer no fim de semana. Era um programa de auditório, um desses concursos de perguntas e respostas com prêmios aos vencedores, comandado pelo "Sílvio Santos de lá". Além dos candidatos a responder, havia um grupo de crianças que tentariam responder quando o candidato falhasse. O tema era geografia. O animador perguntou: Qual o nome do acidente geográfico localizado no extremo sul da África? O candidato não soube responder e uma criança imediatamente levantou o braço e disse: Gigante Adamastor!
E agora, José?... E agora, leitor?... Não é, como eu pensava, um fato isolado em algures do interior; mais de três quartos de século depois da educação equivocada do meu cunhado José, o fenômeno ainda persiste. Em Lisboa! Pelo visto a questão é muito mais séria e nem Camões suspeitaria que sua obra penetrasse tão fundo na alma portuguesa.
Mas se recordar é viver, não seria melhor recordar as glórias passadas, intensificadas poeticamente por Camões com figuras míticas, a encarar a realidade baça da terra, que é Portugal a entristecer, como nos diz Fernando Pessoa?


2 comentários:

Teresa disse...

"Pelo visto a questão é muito mais séria e nem Camões suspeitaria que sua obra penetrasse tão fundo na alma portuguesa."
VIVA O GIGANTE ADAMASTOR!

Joao Antonio Ventura disse...

VIVA A FANTASIA, MINHA QUERIDA,QUE A REALIDADE NINGUÉM AGUENTA!

Postar um comentário