22 de mai de 2013

Ecos d’África

Desceu o estreito caminho de acesso à casa de D. Maria e veio andar na estrada, em frente à venda do Grandela, olhando a paisagem e causando grande admiração aos passantes. Os menos discretos chegavam a olhar para trás - nunca tinham visto uma pessoa assim! Muito menos eu, que não tirava os olhos dela.
Nem mulher nem menina, negra, num vestido muito branco, ainda mais branco pelo contraste com sua pele; cabelos ao natural, enroladinhos, curtinhos; brincos de argola nas orelhas, lábios grossos e os olhos como dois luzeiros na escuridão. Parecia não dar importância ao espanto das pessoas.
Aos meus olhos de menino era uma imagem maravilhosa, comparável àquelas personagens das estórias ao pé do lume – uma princesa negra!
A rapariga viera de Angola, acompanhando a filha, genro e netos de D. Maria do Porto, imigrados lá e de visita à terra natal. A princesa era a criada da família.


COMENTE
Me faça esse carinho

0 comentários:

Postar um comentário